Arquivo da categoria: Sem categoria

Ode a vida

Rio Cuiabá Ninguém me espera, não espero ninguém, É o que tem, talvez para o além, Sempre haverá caminhos e cantinhos Onde possa me acalentar, Os anseios acalmar, Enquanto meus pés andar, Minhas pernas aguentar, Por ai a caminhar, A bisbilhotar, Chapada … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Paz

Que importa se outros não me veem, não me amam, somente me olham com interesses escusos. Eu me amo,  eu me basto, eu me amo por todos que não me amam e não me amaram, azar de todos juntos, sou … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Emoção

Sou sentimento, emoção, coração, Os sentimentos norteiam minha vida, Que fazer se apesar de ser pé no chão A razão passa longe de minhas decisões, É assim que sou feliz, Na luta diária em busca dos sonhos, Eles chegam, com certeza, … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Rumos Quanticos

Caminhando sem rumo eu vou, Tentando colocar a vida no prumo, Foi tirada do rumo, Descarrilhada dos trilhos, Um passo, dois passos, infinitos passos, Visualizando o infinito, Sem encontrar o rumo, Na imensidão do Universo Visualizo novo rumo, São infinitos … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Triste

Fico pensando sem entender que lavagem cerebral é essa que fizeram na humanidade, afinal parece que é a humanidade inteira a se esfalfar nessa festança maluca de passagem de ano, numa histeria coletiva,quero entender qual é a satisfação de ver … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Choro da alma

Tentando a calma, do alvoroço da alma, Tentando entender os reveses dessa existencia, Sem nada entender, minha alma chora, Entes queridos, fugidos, distantes, Assombroso destino que nos persegue, Tanto fazemos e nada temos, Tanto tentamos, Chegamos perto E tudo escoa … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , | 1 Comentário

Franguinho que o Mosquito matou

Meu avô Sr. Benedicto saiu de sua terra natal nos arredores de Campos de Jordão e foi morar na cidade grande, Sampa, lá pelos idos da década de 30, meu pai tinha então 18 anos e não gostou disso, gostava … Continuar lendo

Publicado em Passatempo, Sem categoria | Marcado com , , , | Deixe um comentário